quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Avaliação de Dezembro



Avaliação Final de Dezembro


Preços de minério e barril de petróleo caindo. Perigo na Grécia... Blablablá. "Ibov" caindo quase dez por cento.


Repetindo: "ainda não será neste mês que farei a toda-hora-adiada revisão fundamentalista da carteira, pra ver se troco papéis ou não". Disse que seria agora. Daqui a uns dias vejo se dá; estou de "férias". Ademais, a carteira foi até bem no segundo semestre deste ano. Como o primeiro semestre foi mais que desastroso, a média vai continuar bem ruim. 

Em resumo, sem dúvidas meu pior ano na bolsa. Saudade de 2012 e até de 2013.

Aportei R$ 3.000,00. Quase tudo em "BBAS3". Espero que os juros me ajudem em 2015. 

Novamente venci o "Ibov" por mais de 2%. Porém, caindo tanto, não dá nem pra comemorar. 

Números do mês:

"Ibov" caiu 8,62% em dezembro. E caiu 2,91% no ano.

Tenho hoje - 64.901,89 (carteira) + 255,31 (caixa de dividendos e vendas ainda não reinvestidos) = 65.157,20. Total de R$ 68.000,00 aportado desde que entrei. Significa que estou com 2.842,80 a menos que o total aportado. Mês passado era 1.723,13 a mais que aportei. Dá pra ver que perdi 4.565,93. Baixa de 6,55%. Num mês de baixa de 8,62%... Bom, afinal, podia ser pior.

Não vou contar o rendimento do dinheiro guardado em renda fixa, pois meu objetivo é avaliar meu crescimento em renda variável. Tenho cerca de R$ 9.000,00 em renda fixa.

A bolsa fechou aos 50.007 pontos. É aproximadamente 11% menor em relação ao que estava na minha estréia, dois anos e meio atrás. Por enquanto, "Ibov" -11%, minha carteira, -4,18%. Fraco resultado já que a inflação acumulada é de uns 16%. E a poupança daria uns 18-22%. (e o "Ibov" sofreu mais de um ano com a "OGXP3")

Print's abaixo:







A.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

1ª Operação de Dezembro

OC's:

- 99 "BBAS3" a 27,89. (já pegou agora há pouco)
- 12 "UGPA3" a 52,81.

A primeira é um "trade" (nunca mais que 5% da carteira pra isso) que pode se converter em novo aporte em breve.

sábado, 29 de novembro de 2014

Avaliação de Novembro



Avaliação Final de Novembro


"Ibov" rodou rodou e praticamente não saiu de lugar. Considerando a inflação, andou um pouco pra trás até. Esperava mais da indicação de Joaquim Levy. Porém... É normal que o mercado queira provas do que poderá fazer, primeiro.


Sobre a economia brasileira. mantenho toda a análise que fiz no mês anterior. 


Meu novo mantra agora é: "ainda não será neste mês que farei a toda-hora-adiada revisão fundamentalista da carteira, pra ver se troco papéis ou não". Mas há luz no fim do túnel. Creio que, em dezembro, aproveitarei parte do recesso e farei isso.

Mais uma vez aportei R$ 1.500,00. Mais um papel do promissor setor de educação. 

Não lembro a última vez que venci o "Ibov" por mais de 2%. Foi um mês bom. Depois do desastre que foi meu primeiro semestre, o segundo está até razoável. Hoje em dia não é mais tão fácil ficar na frente do "Ibov". Saudade da "OGXP3"!

Números do mês:

"Ibov" subiu 0,07% em novembro. 

Tenho hoje - 66.278,22 (carteira) + 444,91 (caixa de dividendos e vendas ainda não reinvestidos) = 66.723,13. Total de R$ 65.000,00 aportado desde que entrei. Significa que estou com 242,76 a mais que o total aportado. Mês passado era 1.723,13 a mais que aportei. Dá pra ver que ganhei 1.480,37. Alta de 2,27%. Num mês de alta de 0,07%... Bom resultado, finalmente.

Não vou contar o rendimento do dinheiro guardado em renda fixa, pois meu objetivo é avaliar meu crescimento em renda variável. Tenho cerca de R$ 9.000,00 em renda fixa.

A bolsa fechou aos 54.664 pontos. É aproximadamente 3% menor em relação ao que estava na minha estréia, quase dois anos e meio atrás. Por enquanto, "Ibov" -3%, minha carteira, 2,65%. Fraco resultado já que a inflação acumulada é de uns 15%. E a poupança daria uns 16-20%. (e o "Ibov" sofreu mais de um ano com a "OGXP3")

Print's abaixo:







A.

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Avaliação de Outubro



Avaliação Final de Outubro


Dilma ganhou e o mundo não acabou. 


Também... já havíamos caído 11% mês passado. O mercado devolveu todas as "euforias Marina-Aécio", mas passou longe dos prometidos 44k ou 40k. 

A verdade é que a bolsa tem, hoje, praticamente metade do valor que tinha no pico de 2007. Claro que em renda variável tudo pode acontecer, mas 40k? Não era pra tanto.

Fim das contas, deu o que eu chamava de "a lógica". 

Quando a popularidade de Dilma começou a cair, em março, disse aqui mesmo que dificilmente ela perdia. A subida de Marina e depois de Aécio até me fez mudar de ideia (embora eu não tenha dito aqui). Fato é, porém, que o governo tem mantido o desemprego baixo e conservado o poder de compra do povão. Se artificialmente ou até mesmo irresponsavelmente, é outra história, mas precisamos ser fiéis aos dados.

Minha aposta (uns 5-6% da carteira) na derrota de Dilma era, na verdade, uma "proteção". Na minha cabeça, eu tinha que ter algo a ganhar com a vitória do PSDB. Meu principal "investimento" é concurso, logo, a ideia foi: "ou ganho com a bolsa/melhora do cenário macroeconomico, ou ganho com minha vaga em concurso". Por isso coloquei dinheiro na "PETR4" mesmo achando que o PT venceria.

Como serão os próximos quatro anos? Quem souber, está rico. Possivelmente dependerá de uma recuperação econômica mundial - que ainda não vislumbro, por sinal. Não me parece que o governo tenha capacidade de sair dessa sozinho.

Como serão os próximos meses? Também não faço ideia. O mercado tem se animado com a possibilidade de um "ortodoxo" assumir o Ministério da Fazenda. A subida de juros do BC também animou. Por fim, dizem que Dilma tem admitido a necessidade de arrocho fiscal... 


O sonho de muitos seria 2015 surpreender e repetir 2003, digamos. Crescimento baixo, mas apontando para correções. Não consigo ver isso acontecendo, mas quem sabe...

Ainda não será neste mês que farei a toda-hora-adiada revisão "fundamentalista" da carteira, pra ver se troco papéis ou não. Já mandei 1.500,00 para aportes. Onde? Decido nos próximos dias. É o mesmo valor que aportei este mês.

Perdi pro "Ibov". Pelo menos foi por pouco.

Números do mês:

"Ibov" subiu 0,95% em outubro. 

Tenho hoje - 63.541,72 (carteira) + 201,04 (caixa de dividendos e vendas ainda não reinvestidos) = 63.742,76. Total de R$ 63.500,00 aportado desde que entrei. Significa que estou com 242,76 a mais que o total aportado. Mês passado era 141,89 a mais que aportei. Dá pra ver que ganhei 100,87. Alta de 0,16%. Num mês de alta de 0,95%... Resultado fraquinho.

Não vou contar o rendimento do dinheiro guardado em renda fixa, pois meu objetivo é avaliar meu crescimento em renda variável. Tenho cerca de R$ 9.000,00 em renda fixa.

A bolsa fechou aos 54.628 pontos. É aproximadamente 3% menor em relação ao que estava na minha estréia, dois anos e pouquinho atrás. Por enquanto, "Ibov" -3%, minha carteira, 0,38%. Fraco resultado já que a inflação acumulada é de uns 14,5%. E a poupança daria uns 15-19%. (e o "Ibov" sofreu mais de um ano com a "OGXP3")

Print's abaixo:









A.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

1ª Operação de Outubro

Serão as únicas. Aporte do mês.

                                              Ordem executada
Tipo de operação:
Compra
Ativo:
BEMA3
Data/Hora:
02/10/2014 14:17:48
Quantidade Ofertada:
200
Quantidade Executada:
200
Preço Ofertado:
R$ 7,73
Preço Executado:
R$ 7,73

                                              Ordem executada
Tipo de operação:
Compra
Ativo:
KROT3F
Data/Hora:
02/10/2014 14:17:34
Quantidade Ofertada:
15
Quantidade Executada:
15
Preço Ofertado:
R$ 14,79
Preço Executado:
R$ 14,79

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Avaliação de Setembro



Avaliação Final de Setembro


Como eu temia (mas apostei contra), veio o pior mês que já tive na bolsa. 11,70% pra baixo. E foi o pior mês desde maio de 2012. Comecei a investir em julho de 2012, justamente após observar essas grandes quedas e achar que era uma oportunidade - e até era.


O motivo principal desta queda de setembro foi a reversão do cenário eleitoral. Justamente quando apostei, aportando os R$ 1.875,59 do mês na "PETR4" a 22 e algo, na vitória de Marina. Agora, Dilma voltou a ser favorita. Bom, tal aporte é 3% da minha carteira. Podia ser pior.

Ao menos venci o "Ibov" pelo segundo mês seguido. Algo que não acontecia há muito tempo. Ele caiu um por cento a mais que eu. Porém, continua sendo quase nada. Por algum motivo que desconheço, alguns papéis que possuo, como "GETI4", "VLID3", "GRND3", etc., tiveram altas grandes hoje.

Minha análise das eleições, na avaliação do mês anterior, continua valendo. Mais ainda até.

Se Dilma vai vencer mesmo? Se vamos a 44k? Quem souber, está rico.

Acho que no próximo mês enfim conseguirei fazer uma revisão "fundamentalista" da carteira, pra ver se troco papéis ou não. Este mês não dá. Sei nem qual será meu aporte.

Vou evitar me movimentar baseado no cenário eleitoral. Realmente não tenho certeza do que vai acontecer. Já não estou satisfeito com a aposta deste mês...

E olha que na última avaliação fiz o sensato comentário de que não seria talvez um bom mês pra aportar/apostar na bolsa. Mudei de ideia dias depois e tomei os 10% de queda. 

Devia ter mudado de ideia era sobre a promessa de não vender nada mesmo com os 61k. Não vendi mesmo. Enfim, renda variável. 

Números do mês:

"Ibov" caiu 11,70% em setembro. 

Tenho hoje - 61.821,58 (carteira) + 320,31 (caixa de dividendos e vendas ainda não reinvestidos) = 62.141,89. Total de R$ 62.000,00 aportado desde que entrei. Significa que estou com 141,89 a mais que o total aportado. Mês passado era 7.538,19 a mais que aportei. Dá pra ver que perdi 7.396,30. Baixa de 10,64%. Num mês de baixa de 11,70%... Resultado regular.

Não vou contar o rendimento do dinheiro guardado em renda fixa, pois meu objetivo é avaliar meu crescimento em renda variável. Tenho cerca de R$ 9.000,00 em renda fixa.

A bolsa fechou aos 54.115 pontos. É aproximadamente 4% menor em relação ao que estava na minha estréia, dois anos e pouquinho atrás. Por enquanto, "Ibov" -4%, minha carteira, 0,23%. Fraco resultado já que a inflação acumulada é de uns 14%. E a poupança daria uns 15-19%. (e o "Ibov" sofreu mais de um ano com a OGXP3)

Print's abaixo:







A.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

2ª Operação de Setembro

5% para trade. Aporte do mês

                                              Ordem executada
Tipo de operação:
Compra
Ativo:
PETR4F
Data/Hora:
08/09/2014 11:59:55
Quantidade Ofertada:
99
Quantidade Executada:
96
Preço Ofertado:
R$ 22,81
Preço Executado:
R$ 22,81

                                              Ordem executada
Tipo de operação:
Compra
Ativo:
PETR4F
Data/Hora:
08/09/2014 12:39:17
Quantidade Ofertada:
86
Quantidade Executada:
86
Preço Ofertado:
R$ 22,90
Preço Executado:
R$ 22,90

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

1ª Operação de Setembro

Aquela minha OV pré-histórica de venda de 80 "PETR4" a 23,69...

Pensei que nunca ia pegar... Pegou.

Agora é pensar se reinvisto na bolsa... Ou jogo no Tesouro Direto.

O mesmo para o aporte do mês. Quase dois mil reais.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Avaliação de Agosto



Avaliação Final de Agosto


Que sacanagem. Deve ter sido o único mês do ano em que venci o Ibovespa, graças a um monte de alta de 4 e 5% que teve hoje nas minhas ações (apesar do índice só ter subido 1,65%). 


Mesmo assim, nesta minha alegria há uma queixa: foi por muito pouco! Aliás, há duas: que otimismo todo é esse?!

O mercado nem quis saber da "recessão técnica". Onda "Marina" atropelando tudo. Que confiança é essa?

Ponto 1 - A vitória de Marina, pra mim, ainda é uma incógnita. Desemprego em 5%; ausências de arrochos, por enquanto; aliança com o PMDB... Tudo isso ainda pode virar o jogo a favor de Dilma agora que a candidata do PSB certamente passará a ser atacada. Ou não, claro. 

Aécio é que está numa situação complicadíssima. Por incrível que pareça, foi o grupo que mais perdeu com a morte de Campos. PT dificilmente baixa dos 33% no 1º turno. É meio que um índice histórico. Não sei de quem ele vai tirar voto. A distância pra Marina ficou muito grande.

Ponto 2 - O governo Marina é um mistério maior ainda. Bancos disparando. Será a presença de Neca Setúbal, Gianetti e Lara Resende? Serão mesmo os intermediários do mercado? Até que ponto Marina aceitará tudo que colocarem? Em que a possível presidenta se diferenciará de Dilma? De concreto, sai muito pouca coisa da sua boca. Seria mera estratégia eleitoral o "encimadomurismo" quanto aos temas delicados da economia? Descobriram que ela vai nomear Armínio Fraga pra dar um choque de confiabilidade? 

Como as sardinhas nunca têm um décimo das informações dos grandes "players", fica a impressão de que eles já sabem algumas dessas respostas. Que já há pactos ocultos. Que há medidas impopulares escondidas. Só isso poderia explicar toda essa euforia.

Vamos para outro cenário. Supondo que ainda não há essas respostas, só haverá mais duas explicações possíveis.

A - A de que é uma grande irracionalidade do mercado, o que implicaria alta correção futura se Dilma vier a ganhar e/ou Marina der mostras de que não vai seguir o que o mercado dela espera.

B - A de que é uma oscilação normal em torno da margem de incerteza pós-2008, que fica em torno de 52 ou 53k, caindo para 44k nos piores momentos e subindo a quase 65k nos melhores (marca de março de 2012).

A resposta que eu mais gostaria de ouvir é a de que o cenário anterior é que era muito "exageradamente pessimista". Porém, não sei se é a resposta correta. O que apoia essa tese é o fato de que hoje - mesmo com 60k - ainda somos uns 40% do topo de 2007, se corrigirmos a inflação. Será mesmo que o país não tem jeito, pra cair tanto assim?

Enfim, é renda variável. Varia. Quase sempre de forma impressionante mesmo. Ainda mais no Brasil.

Fico na torcida pra um dia pegar uma onda de uns quatro-cinco anos de altas. Tipo o que teve de 2003 pra 2007. Talvez fosse o suficiente para mover boa parte da grana pra uma renda fixa razoável.

"EZTC3", vulgo "10% da minha carteira", depois de apanhar no ano inteiro, resolveu ignorar a tal crise do setor e acompanhar o "Ibov" este mês. Graças a disparada dessa última semana. É consistente? Não parece, mas nada venderei. Como a alta de Marina a ajuda? Não sei. Só se for indiretamente.

"PETR4" disparou. Absurdos 22,5% no mês. Marina deve ter um campo de pré-sal escondido. Fala mais de "energias renováveis" que qualquer coisa. Em tese, não seria a candidata a salvar a "Petro". Soube que deu indício de que vai ao menos reajustar preço. Será? Enfim, deixa pra lá, subiu? Bom pra mim. 

Continuo sem tempo para reformas bimensais ou trimensais na carteira. E acho que não vou aportar na bolsa este mês. Fiquei muito assustado com essa subida e esses 61k. Acho que vou mandar mais uns 1.500 pro TD. Normalmente, iriam pra bolsa mesmo.


Mesmo no mês passado, eu já estava assombrado: 

"Não entendo como o "Ibov" foi bater 58k. Fosse no longo prazo, entenderia, pois não acredito que a desaceleração vá durar até 2017-18. Nenhum governo aguenta. Porém, subir 30% no curto prazo? Achei uma maluquice. Não sem motivo, já caiu um pouco."  

Disse que, mesmo assim, não ia vender. E, claro, não vendi. Se sou cauteloso pra comprar. Imagine pra vender. Mesmo com esses 61k, não vendo. Odeio tentar adivinhar topo e piso. Cada vez menos "trader".

Bem, chega de ser ranzinza. Pelo menos ganhei um pouco do "Ibov". 

Números do mês:

"Ibov" subiu 9,78% em agosto. 

Tenho hoje - 67.157,07 (carteira) + 505,53 (caixa de dividendos e vendas ainda não reinvestidos) = 67.662,60. Total de R$ 60.124,41 aportado desde que entrei. Significa que estou com 7.538,19 a mais que o total aportado. Mês passado era 1.385,49 a mais que aportei. Dá pra ver que ganhei 6.152,70. Alta de 10,00%. Num mês de alta de 9,78%... Resultado bonzinho e só.

Não vou contar o rendimento do dinheiro guardado em renda fixa, pois meu objetivo é avaliar meu crescimento em renda variável. Tenho cerca de R$ 9.000,00 em renda fixa.

É legal ver o dinheiro crescer tanto assim em termos absolutos, mas uma análise calma mostra que ainda não está valendo a pena.

A bolsa fechou aos 61.288 pontos. É aproximadamente 8,8% maior em relação ao que estava na minha estréia, dois anos e pouquinho atrás. Por enquanto, "Ibov" 8,8%, minha carteira, 12,54%. Fraco resultado já que a inflação acumulada é de uns 13,5%. E a poupança daria uns 13-17%. (e o "Ibov" sofreu mais de um ano com a OGXP3)

Obs.: quem vendeu em maio e foi embora se deu muito mal este ano.

Print's abaixo:







A.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Avaliação de Julho



Avaliação Final de Julho


Mês ótimo para o "Ibov" e péssimo pra mim, que "performei" quase 4,5% abaixo do índice. 


Disparado o pior mês que já tive na bolsa. "EZTC3"; "CIEL3" e outros antigos motivos de felicidade tão puxando o freio totalmente.

Não posso estudar se os problemas já foram precificados. Espero que sim. Sem tempo para reformas bimensais ou trimensais na carteira. Ainda mais quando se é investidor de longo prazo.

Aportei 500,00. A novidade na carteira é a "KROT3". Muito tempo que eu queria aportar no setor de educação. Sempre achando que está "caro". Velho erro.

Não entendo como o "Ibov" foi bater 58k. Fosse no longo prazo, entenderia, pois não acredito que a desaceleração vá durar até 2017-18. Nenhum governo aguenta. Porém, subir 30% no curto prazo? Achei uma maluquice. Não sem motivo, já caiu um pouco. Ainda não vejo Dilma perdendo. 

Por que não vendi? Conservadorismo. Há muito tempo que estou cada vez menos "trader".  Nem fui analisar a possibilidade dessa vez. Foi apenas sentimento. Não sei se fiz isso por convicção; por necessidade de focar em alguns estudos (que deram certo) ou se pelos dois.

Números do mês:

"Ibov" subiu 5% em julho. 

Tenho hoje - 61.203,24 (carteira) + 182,25 (caixa de dividendos e vendas ainda não reinvestidos) = 61.385,49. Total de R$ 60.000 aportado desde que entrei. Significa que estou com 1.385,49 a mais que o total aportado. Mês passado era 1.000,35 a mais que aportei. Dá pra ver que ganhei 385,14. Alta de 0,63%. Num mês de alta de 5%... Resultado ridículo.

Não vou contar o rendimento do dinheiro guardado em renda fixa, pois meu objetivo é avaliar meu crescimento em renda variável. Tenho cerca de R$ 7.000,00 em renda fixa.

Voltando ao mês, a bolsa fechou aos 55.829 pontos. É aproximadamente 1% negativo em relação ao que estava na minha estréia, dois anos e pouquinho atrás. Por enquanto, "Ibov" -1%, minha carteira, 2,31%. Mal resultado já que a inflação acumulada é de uns 13%. E a poupança daria uns 13-17%. (e o "Ibov" sofreu mais de um ano com a OGXP3)

Bom, disciplina. Não vai cair por mais dez anos, acho.

Print's abaixo:







A.

terça-feira, 1 de julho de 2014

Avaliação de Junho



Avaliação Final de Junho


Mês bom para o "Ibov" e mais um ruim pra mim, que "performei" quase 1,5% abaixo do índice.  Já virou uma "média". 


A "EZTC3", que foi a principal responsável pela derrubada da minha carteira mês passado, neste mês continuou fraquinha. Outros ótimos papéis também andam patinando. Porém, como não consigo ver grandes problemas nos fundamentos, continuarei teimoso.

Aportei 1.500,00. Especialmente em "EZTC3".

Números do mês:

"Ibov" subiu 3,76% em junho. 

Tenho hoje - 60.208,22 (carteira) + 292,13 (caixa de dividendos e vendas ainda não reinvestidos) = 60.500,35. Total de R$ 59.500 aportado desde que entrei. Significa que estou com 1.000,35 a mais que o total aportado. Mês passado era 431,92 a menos que aportei. Dá pra ver que ganhei 1.432,27. Alta de 2,42%. Num mês de alta de 3,76%... Resultado ruim.

Não vou contar o rendimento do dinheiro guardado em renda fixa, pois meu objetivo é avaliar meu crescimento em renda variável. Tenho cerca de R$ 7.000,00 em renda fixa.

Voltando ao mês, a bolsa fechou aos 53.168 pontos. É mais de 5,5% negativo em relação ao que estava na minha estréia, dois anos atrás. Por enquanto, "Ibov" -5%, minha carteira, 1,68%. Mal resultado já que a inflação acumulada é de uns 12%. E a poupança daria uns 12-16%. (e o "Ibov" sofreu mais de um ano com a OGXP3)

Bom, disciplina. Não vai cair por mais dez anos, acho.

Print's abaixo:







A.

terça-feira, 3 de junho de 2014

1ª Operação de Junho

São os aportes do mês:

Ordem executada
Tipo de operação:
Compra
Ativo:
EZTC3F
Data/Hora:
03/06/2014 11:18:33
Quantidade Ofertada:
52
Quantidade Executada:
52
Preço Ofertado:
R$ 22,78
Preço Executado:
R$ 22,78

Ordem executada
Tipo de operação:
Compra
Ativo:
CGRA4F
Data/Hora:
03/06/2014 11:17:43
Quantidade Ofertada:
30
Quantidade Executada:
30
Preço Ofertado:
R$ 17,57
Preço Executado:
R$ 17,57

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Avaliação de Maio



Avaliação Final de Maio


Mês ruim para o "Ibov" e péssimo pra mim. Dos meus últimos, sei lá, doze resultados, uns nove foram ruins. Felizmente isso se deu num contexto em que outros aspectos da vida, mais importantes que a bolsa inclusive, têm melhorado e muito. Ajuda a "chorar" menos, digamos. Falar a verdade, acabo nem ligando muito.


A principal razão para tanto é que não consigo deixar de achar que algumas quedas são exageradas e serão revertidas nos próximos meses ou anos. Será mesmo que um papel tão bom como "EZTC3" (principal responsável pela derrubada da minha carteira este mês), ou mesmo a "GRND3", não vão passar pelo cenário ruim e voltar a crescer? Conjunturas ruins não são pra sempre.

Enfim, segundo mês seguido em que perco em mais de 1,5% pro "Ibov". 

Aportei de novo, este mês, no Tesouro Direto. NTN-B. Acho, porém, que voltarei a aportar na bolsa. Talvez "EZTC3". Se cair mais, pelos mesmos motivos já conhecidos, não conseguirei resistir.

Números do mês:

"Ibov" caiu 0,75% em maio. 

Tenho hoje - 57.259,94 (carteira) + 308,14 (caixa de dividendos e vendas ainda não reinvestidos) = 57.568,08. Total de R$ 58.000 aportado desde que entrei. Significa que estou com 431,92 a menos que o total aportado. Mês passado era 1.058,70 a mais que aportei. Dá pra ver que perdi 1.490,62. Baixa de 2,52%. Num mês de baixa de 0,75%... Resultado ruim.

Não vou contar o rendimento do dinheiro guardado em renda fixa, pois meu objetivo é avaliar meu crescimento em renda variável. Tenho cerca de R$ 6.000,00 em renda fixa.

Voltando ao mês, a bolsa fechou aos 51.239 pontos. É mais de 8,5% negativo em relação ao que estava na minha estréia, vinte e três meses atrás. Por enquanto, "Ibov" -8,5%, minha carteira, -0,74%. Mal resultado já que a inflação acumulada é de uns 11%. E a poupança daria uns 11-16%. (e o "Ibov" sofreu mais de um ano com a OGXP3)

Bom, disciplina. Não vai cair por mais dez anos, acho.

Print's abaixo:







A.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Avaliação Final de Abril



Avaliação Final de Abril


Mês de razoável alta. Não pra mim, infelizmente. Continuo achando exagerada essa euforia dos mercados com a queda de Dilma. Se tiver a ver com algum retorno dos estrangeiros por outro motivo qualquer (externo), menos estranho. 


Fato é que não venderei nada por considerar arriscado, já que sempre tenho a sensação de que há um pessimismo acentuado com a situação atual que contrasta com o otimismo desvairado da situação anterior (2007-2009). Enfim, não vendo pelos mesmos motivos que eu trouxe em detalhes na avaliação anterior.

Não gostei nada do meu desempenho este mês. Perdi 1,5% pro "Ibov". (Pior que já iniciei este mês de maio perdendo mais feio ainda, vamos ver como termina).

Pela primeira vez comprei NTN-B e acho que vou comprar mais este mês. É o plano "leve diversificação".

Sobre o mês, alguns bons papéis caíram da mesma forma que subiram (inverti o que falei na avaliação passada): sem muita explicação.

Como já disse mês passado, não vou mudar a carteira. Mesmo com este resultado ruim.

Números do mês:

"Ibov" subiu 2,40% em abril. 

Tenho hoje - 58.297,44 (carteira) + 761,26 (caixa de dividendos e vendas ainda não reinvestidos) = 59.058,70. Total de R$ 58.000 aportado desde que entrei. Significa que estou com 1.058,70 a mais que o total aportado. Mês passado era 574,30 a mais que aportei. Dá pra ver que ganhei 484,40. Alta de 0,83%. Num mês de alta de 2,40%... Resultado ruim.

Não vou contar o rendimento do dinheiro guardado em renda fixa, pois meu objetivo é avaliar meu crescimento em renda variável. Tenho cerca de R$ 3.500,00 em renda fixa.

Voltando ao mês, a bolsa fechou aos 51.626 pontos. É cerca de 8,3% negativo em relação ao que estava na minha estréia, vinte e dois meses atrás. Por enquanto, "Ibov" -8,3%, minha carteira, 1,83%. Mal resultado já que a inflação acumulada é de uns 10,5%. E a poupança daria uns 11-16%. 

Bom, disciplina. Não vai cair por mais dez anos, acho.

Print's abaixo:







A.

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Investimento Novo - TD

NTN-B.

Pretendia iniciar essa frente - da renda fixa - apenas quando tivesse mais de 200 ou 300 mil, mas achei inflação + 6,25% muito atrativo.

Comprei 1,0 NTN-B Principal por 1.771 reais.

Foi o aporte do mês. Acho até que anunciei que faria isso na avaliação do mês de março.

terça-feira, 1 de abril de 2014

Avaliação Final de Março



Avaliação Final de Março


Eu devia estar contente porque a bolsa subiu 7% após quatro ou cinco meses seguidos de queda e meu "colchão" ficou menos murcho, deixando-me menos suscetível a reformulações desesperadas na carteira que às vezes só enriquecem a corretora, mas a verdade é que estou um pouco decepcionado e um tanto quanto desconfiado.

Quando entrei nessa coisa de bolsa era achando que ela poderia bater 69k logo logo. Até vi em 63k, mas, como quase todo mundo na época, achei que rompia 63. (Engraçado mesmo é lembrar dos 200k que Ricardo Amorim previu pra 2015). Ou seja, peguei um ralizinho de alta, mas o que eu peguei mesmo foi um razoável rali de baixa (56 a 44k). Entrei em 56k achando que estava baixo (vinha de uma queda de 3 meses, a qual havia começado nos 69k!) e agora comemoro um 50k sem ver como o "Ibov" poderá subir muito além disso.

E é aqui que queria chegar. Se essa subida de mais de 10% (se pensarmos no fundo aos 45k) for mesmo causada quase que exclusivamente pela queda da popularidade de Dilma, ... é muita oscilação pra um fator só. Para passarmos os 50k dependeremos então de seguidas quedas de Dilma? Num país com desemprego em 5% e certo crescimento - ainda que pequeno - do salário mínimo e da renda, acho bem difícil a popularidade da presidenta continuar caindo. Creio que boa parte da população está fechada com ela. (Obs: não estou defendendo o governo e nem pretendo votar)

Se eu tivesse certeza de que a esperança do mercado é unicamente essa, venderia tudo em junho - a popularidade deverá ser ainda mais afetada pelos protestos na Copa - e compraria em outubro após a provável derrota de Aécio.

Ainda acho que essa queda nossa em relação aos 72k (na realidade, uns 100k, se tirarmos a inflação) de 2007-2008 é exagerada, mas o mercado é quem é soberano. Ele não acha. A subida teve a ver com Dilma simplesmente, ao que todos dizem e entendi.

Não gostei tanto assim do meu desempenho este mês. Foi quase igual ao do "Ibov". Como cai mais do que o índice em 2014, esperava uma recuperação maior.

Vou vender? Não. Manterei a estratégia. Analisando historicamente o índice e combinando essa análise à minha perspectiva de longo prazo para o Brasil, acho 50k um patamar pessimista. E, há um bom tempo, decidi ser cada vez menos "trader", ou seja, não tentar me aproveitar de oscilações de curto e médio prazo. Vou ver se consigo. Neste momento, meu lado "trader" me manda vender (ou esperar junho e vender). Meu lado "holder" me manda ficar quieto e aguardar, pois ninguém nunca acerta quando começa a recuperação de verdade. Aquele momento no qual todo mundo sonha em estar 100% comprado.

Um grande medo? O da crise voltar com tudo lá no norte e nos afundar ainda mais. Nunca consegui acreditar nessa "recuperação".

Pra este mês, acho que não vou resistir a comprar umas NTN-B ou algum papel do tesouro; estão muito atrativos. Diversificar um pouco. Talvez o aporte do mês. Vou pesquisar se minha atual corretora é boa pra isso ou se terei que contratar com uma a mais.

Sobre o mês, os bons papéis subiram da mesma forma que caíram; sem muita explicação. Ex: "EZTC3". Teve resultado bom, ok. E desde quando alguém espera resultado ruim da "EZTC3"? Apostavam na queda? Oscilação de curto prazo é sempre complicado de entender.

Continuo não conseguindo pensar em grandes mudanças na carteira. Sempre que analiso os papéis um a um, chego a conclusão de que a maioria absoluta deles são bons e visam longo prazo.

Números do mês:

"Ibov" subiu 7,05% em março. 

Tenho hoje - 58.399,64 (carteira) + 174,66 (caixa de dividendos e vendas ainda não reinvestidos) = 58.574,30. Aportei 1.500,00. Total de R$ 58.000 aportado desde que entrei. Significa que estou com 574,30 a mais que o total aportado. Mês passado era 3.420,11 a menos que aportei. Dá pra ver que ganhei 3.994,41. Alta de 7,32%. Num mês de alta de 7,05%... Resultado razoável.

Voltando ao mês, a bolsa fechou aos 50.414 pontos. É cerca de 10,5% negativo em relação ao que estava na minha estréia, vinte e um meses atrás. Por enquanto, "Ibov" -10,5%, minha carteira, 0,99%. Mal resultado já que a inflação acumulada é de uns 10,5%. E a poupança daria uns 11-16%. 

Bom, disciplina. Não vai cair por mais dez anos, acho.

Print's abaixo:







A.

segunda-feira, 3 de março de 2014

Avaliação Final de Fevereiro



Avaliação Final de Fevereiro


"Pegando o gancho da avaliação passada, continuo lamentando - agora mais - não ter dado vazão aos sentimentos "trades" da minha avaliação de outubro, a do "Toda essa alta seguida me preocupa um pouco". 

Meu mantra, relacionado a outubro de 2013 parece que não tem mesmo fim. Continuamos em queda livre.

Quatro meses seguidos de desempenhos ruins da minha parte. Quando eu digo ruim é perdendo pro "Ibov". Desde que a OGXP3 foi embora, ficou mais difícil. Pior que acho que só vou ter tempo de revisar a carteira lá pra maio. Pelo menos esses últimos quatro meses foram de várias conquistas pessoais. Sorte (mais ou menos) na vida; "azar" na bolsa. Toda forma, talvez faça umas mudanças rápidas.

Perguntei se tinha como ficar pior em 2014. Ele me respondeu: claro que tem!

Como disse, estou sem tempo pra pesquisar, porém, continuo sem entender porque alguns bons papéis têm apanhado tanto, relativamente a outros não tão bons ou até ruins.

De toda forma, mesmo que tivesse tempo, não sei se mudaria muita coisa não... Pra quem acredita em momentos irracionais do mercado, podem ser as famosas "promoções". Só sei que devo comprar mais "EZTC3", "UGPA3" e demais papéis que estão pedindo.

Por um lado, adoro fazer esses aportes volumosos em período de baixa. Fico sonhando que será um daqueles momentos mágicos que todo investidor de longo prazo sonha em pegar: "fundo da década" ou "fundo do ano", ao menos. Nada garante que voltaremos em breve ao teto de 2007 ou 2008, mas qualquer coisa perto disso já representará um lucro fantástico.

Quando penso em mudança, é mais de carteira mesmo. Não vejo o método como ruim. A maioria absoluta dos papéis são bons e visam longo prazo.

Números que me atormentaram:

"Ibov" desceu 1,14% em fevereiro. 

Tenho hoje - 52.976,55 (carteira) + 103,34 (caixa de dividendos e vendas ainda não reinvestidos) = 53.079,89. Aportei 2.500,00. Total de R$ 56.500 aportado desde que entrei. Significa que estou com 3.420,11 a menos que o total aportado. Mês passado era "só" 2.187,44 a menos que aportei. Dá pra ver que perdi 1.232,67. Baixa de 2,27%. Num mês de baixa de 1,14%... Resultado ruim.

Voltando ao mês, a bolsa fechou aos 47.094 pontos. É cerca de 16% negativo em relação ao que estava na minha estréia, vinte meses atrás. Por enquanto, "Ibov" -16,3%, minha carteira, -6,05%. Mal resultado já que a inflação acumulada é de uns 10%. E a poupança daria uns 10-15%. 

Print's abaixo:







A.